Tendências do Varejo em 2014

Nesse artigo, eu analiso as grandes tendências que afetam o varejo no Brasil em 2014. Aconselho aos meus Clientes varejistas prestar uma grande atenção a esses fatores, que com certeza iráo ter impacto sobre o desenvolvimento dos seus negócios. 2014 é ano de eleição, é ano de Copa, isso vai complicar bastante a atividade varejista no Brasil com vários dias perdidos. Se o segmento consegue manter o padrão do ano passado, na minha opinião seria muito bom.

Demografia

O Brasil está mudando, pegando o ruma de países mais desenvolvidos como a França (meu país de origem). A população brasileira, que já foi muito jovem, está envelhecendo com o passar dos anos. Signica também necessidade de atendimento personalizado e espaços adaptados dentro do PDV para pessoas na faixa de 50-60 anos. Será uma tendência nítida de 2014 e nos anos a seguir, devido à pirámide demográfica.

Perfil populacional

O formato de família brasileira está diferente, com o crescimento das uniões livres que tendem a substituir o casamento. O número de solteiros, divorciados e separados cresce bastante. Os produtos focando famílias grandes vão perder espaço. Problemas de saude pública como a obesidade estão tomando conta do país, o que significa novas categorias de produtos a colocar no mix para atender esse público-alvo. O número de estudantes (economicamente inativa) aumento, ao detrimento da população que trabalha.

Classe média-alta

O fenómeno de crescimento da classe média-alta continua no Brasil. Consequentemente a busca pela conveniência e a praticidade vai continuar, sendo um parâmetro que se revela prioritário em relação ao preço, para familias cujos dois membros trabalham e não tem tempo para circular na cidade no dia-a-dia. Pode se presumir um crescimento de lojas de conveniência, que atendem esse público-alvo que busca atendimento rápido em postos de gasolina. O e-comércio também vai crescer, permitindo fazer compras no conforto de sua casa após um dia pesado de trabalho.

Sustentabilidade

Já foi observado várias vezes, inclusive já tinha visto isso na feira Couro Moda em São paulo em 2012, mas a sustentabilidade está chegando cada vez mais forte no varejo. É pura exigência do Consumidor, que se concientiza e se preocupa com o futura do planeto. Os lojistas precisam se aproximar de conceitos incluindo a sustentabilidade, fechar negócios sustentáveis e avaliar incorporar no mix certos produtos que se enquadram neste formato.

Viagens para fora do país

Muitas mudanças que aconteceram o perfil do Consumidor brasileiro desses últimos anos vem do crescimento das viagens no exterior. O Consumidor fica de olhos abertos no que acontece aí fora, e começa a exigir coisas similares no varejo nacional. Essa realidade está mudando a cara dos lojas brasileiras! Muita gente hoje está trazendo roupas e eletrônicos em viagens de fora, principalmente de Miami. O Consumidor que compra esses produtos os compara com produtos brasileiros e exige mais qualidade.

Lojas de fabricantes

Nos últimos anos os fabricantes começaram a abrir lojas próprias como Havaianas e Samsung (exemplo no shopping Muëller, em Curitiba). Isso lhes proporciona um domínio sobre toda a cadeia de venda, da produção até o Consumidor. Gera possibilidade de desenvolver um marketing próprio, em cima da linha (divulgação do produto com comunicação na mídia, despertar desejo e intençaõ de comprar) como abaixo da linha (gerenciamento de PDV com otimização do espaço de circulação, criação de pontos de compra dentro do PDV, política própria da loja).

Desenvolvimento de marcas próprias

Muito comúm em supermercados há anos já, essa tendência deve se fazer mais presente no segmento varejista de menor porte em 2014. Exige a contratação de especialistas em marketing com ênfase em branding. Desenvolver sua marca exige investimento e visão por parte do comerciante, mas os benefícios são obviamente muito grandes. Tem repercução nas vendas da loja física, mas também no e-comércio. Permite fazer campanhas de propaganda mais eficientes, não focadas no preço mas na qualidade dos produtos e do atendimento.

Preços baixos

O crescimento da classe C (52% da população brasileira) gerou muitas expectativas sobre como atender essa faixa majoritária da população. Mas obviamente existe também milhôes de consumidores que o varejo local e de bairro continua atender todos os dias, que não têm esse dinheiro extra no bolso que pode ter a classe C. Vejo que grandes redes varejistas como Hering preocupem que deixaram de ser consideradas acessíveis na percepção do público. Oferecer e manter preços baixos sempre será uma excelente opção no varejo.

Marketing multicanal

Colocar a marca em contato com o Consumidor é o objetivo do marketing em cima da linha, que usa todos os recursos possíveis para despertar desjos e intenção de comprar o produto. Uma tendência em 2014 no varejo será usar todas as mídias possíveis para alcançar as orelhas, os ouvidos e a consciência do Consumidar. Os canais com Facebook e outras mídias sociais vão ser super utilizados esse ano, até o Consumidor não agüentar mais. A perda de alcance dos posts orgânicos no Facebook sinaliza o fato que Facebook quer aproveitar do embalo.

Moda rápida

O segmento de vestuário no Brasil está tentando imitar uma tendência forte na Europa, o “fast fashion” que pretende trocar as coleções de maneira mais freqüente. Exige fortes investimentos e um gerenciamento de estoque diferente, mais ágil. Aqui em Curitiba temos o problema de estar em meia-estação 12 mêses por ano. Ou será que é vantágem? Na medida que permite fazer rotacionar os modelos com mais rapidez, reduzindo os estoques e oferecendo sempre novidades para os Clientes.

Hipersegmentação

O mercado sendo sempre mais segmentado, terá grandes espaços em 2014 para comércio hipersegmentado que atendem um público-alvo específico. O objetivo de uma loja desse perfil, é se tornar um ponto de referência e atrair Consumidores de toda a cidade. O preço, a comodidade, a distância deixem de ser parâmetros importantes para esse público. O que ele procura está em um numéro hiper reduzido de lojas, que tem um forte poder de oferta sobe os Consumidores. Vale a pena aproveitar desse embalo em 2014.

Experiência de compra

O processo de construção de vendas, que começa com etapas em cima da linha (comunicação, public-relations, despertar o desejo) e continua dentro do PDV (trade marketing, visual merchandising, otimização do layout da loja) acaba na última etapa: a Experiência de compas. Dentro da loja, o Cliente deve se sentir especial. Se ele gostar do produto, a tendência será repetir a experiência de compra e recomendar o produto com amigos, parentes e com contatos das mídias sociais. Obviamente em 2014 uma tendência forte do varejo será otimizar a experiência de compras.

Considerações finais sobre o ano 2014

O final de 2013 foi decepcionante no varejo brasileiro, em um momento que certas lojas realizam 40 a 50% do faturamento anual (roupas, presentes). O ano 2014 será peculiar, por causa da Copa do Mundo de futbal em junho e das eleições no final do ano. Na minha opinião, apenas algumas lojas vão aproveitar da Copa do Mundo. Aqui em Curitiba, pode-se apostar que o restaurante Madalozzo vai aproveitar muito, sendo um dos cartões postais turísticos da cidade. As lojas da rua XV no centro, as lojas de shopping centers também devem aproveitar. Mas os dias feriados por causa dos jogos irão sem dúvida afetar o comércio de bairro.

Eu aconselho aos meus Clientes em Curitiba se adequar à Copa do Mundo como se fosse uma data comercial tipo Natal, Dia das Mães etc. A realidade é que o período não será propícia a compras, o Consumidor vai se manter longe das lojas para assistir aos jogos. Mas o comerciante não pode fazer de conta que não está acontecendo nada: precisará manter um cantinho decorado com as cores da Copa (bandeira nacional, bola) em um canto do PDV. Quando puder, destacando produtos que tem relação com futbal. Sem esperar muito movimento na maioria das lojas, infelizmente.

O varejo é um segmento muito dinámico da economia. O tempo todo, o comerciante deve inovar, buscar soluções, otimizar o PDV. As mudanças rápidas às quais estou me referindo nesse artigo sobre as tendências do varejo em 2014 necessitam uma reatividade e uma criatividade que pouca gente possui hoje. Contratar um consultor de varejo é algo fundamental para o lojista independente que quer aproveitar do embalo em 2014. Muitos parâmetros do novo Consumidor (ver em cima) não são atendidos hoje no país. Quais marcas estão focando o Consumidor de hoje, mais velho, divorciado, com problemas de saude, que viaja no exterior, tem filhos criados, hiper exigente na qualidade etc ?

As eleições em 2014 são um outro problema. Por natureza, gera insegurança em relação a o que vai acontecer. Todo o mundo está esperando: o Consumidor não sabe se vai sobrar dinheiro no bolso dele, o Comerciante enfrenta a questão dos impostos. A confiança que eles têm na economia é um fator importante para saber se haverá investimentos, se o consumo vai crescer ou vai parar. A incerteza é desastrosa pelo desempenho da economia. Isso vai acontecer logo depois da Copa do Mundo de futbol, que também vai afetar o comércio. No total, muito desânimo.

Gostou da matéria? Venha ler outros artigos e compartilhe nas suas redes sociais:

Twitter Compartilhe no Twitter
Facebook Compartilhe no Facebook.
Linkedin Me procure no Linkedin.
Foursquare Também uso o Foursquare.
Slideshare Também uso o Slideshare.
Scribd Também uso o Scribd.

Permalink: 

Diversos

Varejo Fale comigo Empresas Livros BizAgi BPM Modeler

Consultoria

Sua empresa cresceu ultimamente et você não consegue mais controlar os custos? Implemente as metodologias TCM, BPA, CRM e WPM!

Contato

Meu serviço de consultoria em Softwares de Gestão & Processos de Negócio atende as Pequenas e Médias Empresas da Região metropolitana de Curitiba, Paraná.

Telefone: (41) 3015-0705
Celular: (41) 9 9135-3323 VIVO
E-mail: Contato